segunda-feira, março 19, 2012

Vinho Espumante Natural e Champanhe - Processos de Fabrico

Processos de Fabrico

Os vinhos espumantes naturais podem ser separados em dois processos:
  1. Método Champanhês ou Clássico, que é usado na região de Champanhe, cuja segunda fermentação decorre na própria garrafa.
  2. Método Charmat, aquele em que a segunda fermentação tem lugar em cuba fechada.
Método Champanhês ou Clássico
Por este método o espumante é obtido em duas fases principais:
  • A primeira consiste em obter um vinho de boa qualidade, cuja operação de fabrico é igual à de qualquer outro bom vinho, que pode ser branco, tinto ou rosé, apenas com a diferença das uvas serem espremidas em prensas próprias de baixa pressão. As principais castas utilizadas no fabrico do vinho espumante natural são a Pinot noir, Pinot blanc e Chadornnay trazidas de França e, ainda, Arinto e Malvazia fina.
  • A segunda fase consiste na chamada Champanhização. O vinho é engarrafado na primavera seguinte à vindima, juntando-se-lhe um licor constituído por açúcar de cana e leveduras alcoólicas, a que se dá o nome de "Licor de Tirage"
Em seguida, as garrafas são rolhadas com cápsula provisória e depois colocadas deitadas em galerias subterrâneas, onde fazem um estágio entre seis meses e três anos a uma temperatura regular de 12 a 15º C, durante o qual o açúcar fermenta, o que dá lugar à formação do gás carbónico que produz a efervescência característica do espumante.
Com a segunda fermentação resultam também algumas impurezas que constituem um depósito que se torna necessário eliminar.
Assim, as garrafas são colocadas de gargalo para baixo em grades especiais, designadas "pupitres", cujas aberturas permitem várias posições da garrafa.
REMUAGE é a operação que tem por fim fazer aproximar o depósito ou impurezas de gargalo da garrafa, fazendo rodar diáriamente a garrafa e aumentando a sua inclinação.