sexta-feira, outubro 05, 2012

Carta de Vinhos

Sem substituírem os conselhos de um escanção, as cartas mostram quais os vinhos disponíveis e algumas das características de que o cliente precisa para fazer uma escolha consciente e segura. Têm, primeiro que tudo, de ser claras, organizadas e de fácil leitura. Tal como a ementa, as cartas de vinhos passam um pouco da imagem do restaurante onde estão a ser apresentadas. Portanto, pode ser adoptado o mesmo estilo da ementa, por exemplo. Acima de tudo, deve tratar-se de um objecto apresentável e que se perceba bem.

O serviço de escanção está fortemente associado a uma categoria de restaurantes de nível mais elevado. Contudo, quando este não existe, em princípio o chefe de sala, o empregado de mesa ou mesmo até o dono, se lhe for solicitado, pode disponibilizar-se para o aconselhar na escolha do vinho. Se não se considerar totalmente esclarecido com a carta apresentada, não hesite em pedir opinião ou sugestão a quem se mostrar aberto a isso.

Na hora da escolha, nos pratos da balança pesam sobretudo o preço e a harmonia com a refeição. À partida, excluindo exageros que possam ser entediantes, quanto mais vasta for a lista, melhor. É desejável o cliente ter hipótese de escolher entre várias marcas, Denominações de Origem, Indicações Geográficas e anos de colheita e poder optar por pedir uma garrafa ou apenas um copo de vinho.